Monday, November 27, 2006

Morena de Angola


Esta é fácil...

Thursday, November 23, 2006

Para se orientarem

À entrada do Xangongo.

As paisagens do Kunene


O Xangongo fica na província do Kunene, na zona central do sul de Angola, fazendo fronteira com a Namibia. É um planalto a mais de mil metros de altitude, cruzado por dois ou três rios.

Estradas Nacionais de Angola

Musica nova


O original é do Bob Dylan, mas não digo de quem é esta versão...

Viagem ao Xangongo


Já tem quase um mês, mas aqui vão fotos da viagem ao Xangongo. Imaginem 380 km de estrada assim... foram quase 8 horas!

Monday, October 23, 2006

Mais uma semana

A viagem desta semana ao Namibe proporcionou-nos mais um momento de contacto com a realidade local. Fomos parados por uma operação STOP e abordados por um simpático agente da autoridade, à caça da sempre útil gasosa. À medida que nos ia perguntando pelos documentos as coisas até pareciam estar a correr bem. Livrete, registo, carta de condução, selo, seguro… tudo ok. Até que nos deparámos com uma falha grave: não tínhamos triângulo no carro. Maca grande, disse ele. De tal maneira, que nos ia passar multa e reter os documentos do carro e carta de condução. “Não podemos resolver isto de outra maneira?”, perguntámos. Sugestão logo aceite pelo agente que, para cúmulo, fixou o seu preço: 2000 Kuanzas. Claro que, após pagamento, o problema foi imediatamente resolvido e lá pudemos seguir a nossa viagem, se bem que um pouco mais leves… Chegados ao Namibe bem que procurámos um local onde comprar um triângulo para o nosso carro, mas não conseguimos. Espero conseguir arranjar um aqui no Lubango, senão as viagens ao Namibe vão acabar por sair caras… E a moda dos coletes ainda não chegou cá!



No fim-de-semana fomos visitar a Falcope, uma quinta turística com um pequeno barzinho localizada um pouco ao sul do Lubango, e tivemos umas belas surpresas. O dono tem um macaco amestrado, o Renato, que se chateou com tantas visitas e começou a atirar coisas a toda a gente. Tiveram que o amarrar antes que magoasse alguém. Mas o melhor estava para depois. Também lá estava a comunidade médica russa aqui do Lubango, num belo momento de descontracção e camaradagem. Acabámos por assistir a momentos dignos de um filme do Kusturica. Copos a rodos, muitos discursos, abraços, e claro, mais copos. Parecia que estávamos no casamento do “Gato Preto, Gato Branco”; só faltava a banda a tocar por trás. Lá tivemos que estar um bocado com eles, mais os discursos deles, os braços-de-ferro, as conversas enroladas e mais copos, claro. “Eu ser doutor cirurgião Kenedy”. Um deles caiu da cadeira e teve que ser levado em braços para o carro, onde ficou a dormir o resto da tarde. E os outros não andavam longe disso. E são estes os médicos que temos no Lubango…

Tuesday, October 17, 2006

Musica angolana


E agora: musica angolana! Quizomba da boa...

Sé do Lubango


No sábado passado encontrei, pela primeira vez em quatro meses, as portas da Sé do Lubango abertas. Aproveitei para espreitar. Projecto do Fernando Batalha nos anos 40, um arquitecto com muitos edifícios interessantes aqui por Angola, como o Mercado de Luanda, que vai ser demolido para dar lugar a um centro comercial.

Mais musica local


Mais musica africana...

Leba

Este fim-de-semana ficámos pelo Lubango e aproveitámos para voltar à Leba, desta vez para ver a cascata e o miradouro. A primeira é uma pequena cascata junto à serra com uma praia na base, escondida junto à estrada para o Namibe. Uma vez que as chuvas começaram estas pequenas cascatas começam a ganhar força.


Já tínhamos visitado várias vezes o miradouro da Leba, mas desta vez aproveitámos para lá ir ao pôr-do-sol. Nesse dia estava uma visibilidade incrível, sendo possível observar-se a estrada até ao sopé da montanha. Com o desaparecer do sol por trás das montanhas o céu ganhou uma cor forte, e os mosquitos apareceram em força, claro.



Durante esta semana vamos ficar ainda pelo Lubango, com mais uma ida rápida ao Namibe. De qualquer modo, no início da próxima semana devemos ir de carro até à província do Kunene, no sul do território (onde Angola faz a fronteira com a Namíbia desenhada a régua), para visitar o Xangongo (local de mais um Plano de Urbanização) e a Cahama de onde devemos regressar a meio da semana. Apesar de serem aproximadamente 250 Km de Lubango ao Xangongo, a previsão é de uma viagem de 5 horas de carro, uma vez que a estrada está em muito, muito mau estado…

Wednesday, October 11, 2006

Cascata da Zootécnica

No fim-de-semana passado fomos à Estação Zootécnica da Humpata, onde se estudavam a fauna e flora da região. Perto dela, visitámos uma pequena cascata, hoje destino de passeios domingueiros. Pena é que tenha chovido pouco. Dizem que quando a cascata está cheia é fantástica. Quem sabe daqui a alguns dias, quando as águas das chuvas se acumularem.


Hoje começaram as chuvas. Grandes bátegas de água, acompanhadas por trovões fortes, e que desaparecem num instante. Graças a estas chuvadas o céu ganha tonalidades fortes, normalmente em tons avermelhados. O mais estranho é que, apesar de chover muito, as ruas ficam secas num instante. Segundo dizem, quando chegar o verão começam as chuvas a sério...

Wednesday, September 06, 2006

Mais musica (agora, revista e melhorada)


Apeteceu-me...
Finalmente, corrigi o link para a música... (Obrigado, Ana Patrícia)

De volta a terras africanas esta nova estadia tem corrido dentro da normalidade. Continuamos no Lubango, uma vez que estamos sem casa no Namibe. Talvez no início da próxima semana já seja possível mudarmo-nos de vez. Entretanto, se não fosse a minha típica sinusite, e algumas pequenas lesões por ter estado a jogar basquetebol no domingo passado, estava tudo ok...

Por enquanto temos estado em trabalho pelo Lubango (com visitas ocasionais ao Namibe), mas assim que recomeçarmos os passeios, vou tornando o blog mais completo. Espero ir, entre outros sítios ao Cabo Negro, onde espero encontrar um padrão português...

Tuesday, August 22, 2006

Em torno da Bibala

A viagem até á Bibala

A Tundavala vista por outro ângulo.

Bibala


Aproveitámos o fim de semana passado para ir até à Bibala, uma pequena vila que se avista do miradouro da Tundavala. Só o percurso vale a viagem; 63 km de estrada de terra batida, pelo meio dos maciços de pedra do planalto central. Ao fim de hora e meia, lá chegámos. É incrível como pode uma vila sobreviver tão isolada, tendo apenas a linha de comboio como principal meio de acesso. Praticamente não existem construções novas, sendo a maior parte das casas ainda do tempo da administração portuguesa. Algumas recuperadas, outras bem degradadas… uma imagem típica.